banner topo

Anvisa pede proteção policial a diretores após ameaças e solicita investigação da PGR

Ataques nas redes sociais ocorreram ap√≥s ag√™ncia autorizar aplica√ß√£o da vacina da Pfizer em crian√ßas de 5 a 11 anos; of√≠cio tamb√©m foi enviado à PF e ao GSI

Por (Redação) em 19/12/2021 às 19:34:25

A Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa) enviou, neste domingo, 19, ao procurador-geral da República, Augusto Aras, um pedido para investigar novas amea√ßas a diretores e servidores do órg√£o. O ofício também foi enviado ao ministro da Justi√ßa e Seguran√ßa Pública, Anderson Torres, ao ministro-chefe do Gabinete de Seguran√ßa Institucional (GSI), Augusto Heleno, ao diretor-geral da Polícia Federal (PF), Paulo Maiurino, e ao superintendente da PF no Distrito Federal, Vitor Cesar Carvalho dos Santos. O documento afirma que os ataques ocorreram depois que a ag√™ncia reguladora aprovou, na quinta-feira, 16, a aplica√ß√£o da vacina da Pfizer em crian√ßas de 5 a 11 anos de idade.

"A Anvisa informa que, em face das amea√ßas de viol√™ncia recebidas e intensificadas de forma crescente nas últimas 24 horas, foram expedidos neste domingo (19/12) ofícios reiterando os pedidos de prote√ß√£o policial aos membros da ag√™ncia. Tais solicita√ß√Ķes j√° haviam sido feitas no último m√™s de novembro quando a ag√™ncia recebeu as primeiras amea√ßas. O crescimento das amea√ßas faz com que novas investiga√ß√Ķes sejam necess√°rias para identificar os autores e apurar responsabilidades. A ag√™ncia est√° dando ci√™ncia dessas atividades criminosas as seguintes autoridades: ministro-Chefe do Gabinete de Seguran√ßa Institucional; ministro da Justi√ßa; procurador-Geral da República; diretor-geral da Polícia Federal; superintendente regional da Polícia Federal no Distrito Federal. Mesmo diante de eventual e futuro acolhimento dos pleitos, a ag√™ncia manifesta grande preocupa√ß√£o em rela√ß√£o à seguran√ßa do seu corpo funcional, tendo em vista o grande número de servidores da Anvisa espalhados por todo o Brasil. N√£o é possível afastar neste momento que tais servidores sejam alvo de a√ß√Ķes covardes e criminosas", diz trecho da nota divulgada na tarde deste domingo, 19.

No documento de tr√™s p√°ginas encaminhado a Augusto Aras, a Anvisa cita que o presidente Jair Bolsonaro declarou publicamente, em sua live semanal da quinta-feira, 16, que pediria acesso ao nome dos profissionais respons√°veis pela autoriza√ß√£o da imuniza√ß√£o do público infantil. Horas depois, a ag√™ncia divulgou uma nota repudiando a declara√ß√£o do chefe do Executivo federal. As amea√ßas aos diretores e servidores do órg√£o, segundo o ofício, foram feitas após este episódio. "Na data de ontem, 18 de dezembro de 2021, s√°bado, os diretores e os servidores da Anvisa que participaram do aludido Comunicado Público do dia 17 último foram surpreendidos com publica√ß√Ķes nas mídias sociais na internet de amea√ßas, intimida√ß√Ķes e ofensas por conta da referida decis√£o técnica da ag√™ncia, conforme documentos anexos. Esses fatos aumentaram a preocupa√ß√£o e o receio dos Diretores e servidores quanto à sua integridade física e de suas famílias e geraram evidente apreens√£o de que atos de viol√™ncia possam ocorrer a qualquer momento", diz um trecho da manifesta√ß√£o.

A Anvisa pede a Aras a "ado√ß√£o das medidas necess√°rias para apura√ß√£o criminal dos referidos atos praticados e conhecidos ontem, s√°bado, dia 18/12/2021, contra os diretores e servidores da Anvisa e, além disso, reitera-se com urg√™ncia o pedido de prote√ß√£o policial aos citados agentes públicos e suas famílias a fim de salvaguardar a sua integridade física e psicológica diante da gravidade da situa√ß√£o enfrentada".

Fonte: Jovem Pan

Comunicar erro

Coment√°rios